Talvez a maior curiosidade acerca da cremação seja a possibilidade do falecido se tornar árvore. As chamadas bio-urnas são compostas de duas partes: cápsula adaptada que permite a germinação da semente (parte superior) e depósito das cinzas (parte inferior).

A germinação da semente começa separada das cinzas. Porém, na medida em que se inicia o processo de decomposição da urna, as raízes da árvore entram em contato com as cinzas, que a alimenta. A curiosidade não para por aí: é permitido escolher a espécie de árvore.